Esqueça os influenciadores digitais, vêm aí os “desinfluenciadores”

No TikTok, 582 milhões do total de 584 milhões de visualizações da hashtag #deinfluencing ocorreram em 12 meses, informou a plataforma em maio.

Afastem-se, influenciadores. Todos nós já vimos pessoas jovens e fotogênicas promovendo moda, comida ou serviços para seus muitos seguidores no TikTok e no Instagram. Mas agora chegou uma nova geração de “desinfluenciadores”, dizendo que o materialismo e as tendências superfaturadas não estão mais na moda.

Enquanto os consumidores observam seus gastos nestes tempos inflacionários, este grupo emergente de usuários de mídia social está pedindo às pessoas que avaliem se realmente precisam daquele cobertor de R$ 800.

Os “desinfluenciadores” estão se tornando cada vez mais populares. No TikTok, por exemplo, 582 milhões do total de 584 milhões de visualizações da hashtag #deinfluencing ocorreram em 12 meses, informou a plataforma em maio.

Para entender melhor o que é disinfluência – e o que não é – conversamos com as pessoas que melhor entendem o assunto.

A disinfluência é uma tendência emergente nas mídias sociais que desencoraja os consumidores de comprar certos produtos que o “desinfluenciador” considera ineficaz ou sem valor, explica Kris Ruby, analista de mídia social e presidente do Ruby Media Group.

“Para ser desinfluenciado, primeiro você tem que ser influenciado.”

A mídia social tornou-se crucial para o marketing de produtos e serviços, especialmente para consumidores mais jovens. De acordo com um estudo recente, 87% dos entrevistados seguiram uma marca, visitaram seu site ou fizeram uma compra online depois de ver um produto anunciado nas mídias sociais, tornando plataformas visuais como Instagram e TikTok lucrativas para promoções de negócios.

Marcas e empresas pagam influenciadores para comercializar produtos, experiências e serviços para seus seguidores. Em suma, a influência é tentar persuadir os usuários das redes sociais a comprar determinados produtos.

Desinfluenciar é o oposto, mas com algumas ressalvas.

Isto não é influenciar com outro nome?

Para Rubi, em vez de dizer “compre isso”, eles dizem “não compre isso”.

Ambas são formas de influenciar. Não é diferente dizer: ‘Vote neste candidato’ ou ‘Eis por que você não deve votar neste candidato’”, diz Ruby.

No entanto, diz ela, a falta de influência e a reação contra o consumo excessivo refletem uma tendência crescente em direção ao minimalismo. Em de comprar um monte de itens “obrigatórios” promovidos por uma figura da mídia social, essa tendência incentiva os consumidores a avaliar se precisam de um item antes de gastar dinheiro com ele.

Mikayla Mains, 28, é uma criadora de conteúdo de St. Louis que diz se conectar com a cultura de desinfluencer. Ela diz que a tendência parece refrescante em um momento em que o marketing de mídia social pode parecer uma pressão, sugerindo que você precisa de luxos caros para se sentir bem consigo mesmo.

“Como alguém que sempre lutou no domínio do influenciador com a moral de influenciar, adoro nos ver tomando uma direção diferente”, diz ela.

“Embora eu não ache que influenciar seja de todo ruim, gosto que estamos dando um passo atrás para repensar como consumimos não apenas produtos, mas também conteúdo.”

Michelle Skidelsky, uma deinfluencer canadense, usou uma postagem recente para dizer a seus 173 mil seguidores do TikTok que eles não precisam de um novo guarda-roupa no início de cada temporada.

“Em primeiro lugar, roupas novas que não são como fast fashion são bem caras hoje em dia”, diz ela. “Se você vai viajar, se vai a um show, provavelmente não precisa de um guarda-roupa totalmente novo para nenhuma dessas coisas. Conserte-se com o que você tem e viva dentro de seus meios”.

Skidelsky então desencoraja as pessoas a exagerarem nos acessórios de verão, como óculos de sol, bolsas, cintos e bolsas.

Você definitivamente não precisa de vários novos pares de óculos de sol”, diz ela. “Escute, eu sei que é muito divertido ter seus óculos de sol combinando com sua roupa e usá-los como acessórios e tudo o mais. Mas como sua conta bancária se sente sobre você constantemente comprando novos óculos de sol? Provavelmente não é bom”.

Quanto podemos confiar nos desinfluenciadores?

Nem todo mundo é vendido em desinfluenciar. Aria Connor, 36, cria conteúdo de estilo de vida nas mídias sociais e diz que alguns deinfluencers não estão nele pelos motivos certos.

“Muitas pessoas que participam da tendência de desinfluenciar estão mais interessadas em fazer as pessoas se sentirem mal por gastar seu dinheiro de uma forma que não se alinha com os valores ou o orçamento do deinfluenciador”, diz ela.

Outros, diz ela, estão simplesmente tentando persuadir as pessoas a comprar algum outro produto. Connor não acredita que seja útil para os consumidores.

“Existem tantos desinfluenciadores dizendo ao público: ‘Não compre isso. Compre isso.’ E, nesse caso, pare de chamar isso de desinfluenciador”, diz ela. “Basta chamar isso de diferença de opinião sobre quais são os melhores produtos.”

Alguns desinfluenciadores sugerem que seus seguidores evitem produtos específicos, enquanto outros falam de forma mais geral sobre não desperdiçar dinheiro com itens que as pessoas realmente não precisam.

Ruby diz que não está claro se alguns deinfluenciadores estão sendo pagos por marcas rivais para depreciar produtos.

Mas aqueles que dizem aos seguidores o que evitar podem ter mais credibilidade do que as pessoas que apenas compartilham recomendações sobre o que comprar, diz ela. Ruby diz que os desinfluenciadores podem inspirar mais confiança em seus seguidores porque seus conselhos soam honestos.

Mains, que tem 13 mil seguidores no TikTok, diz que os deinfluenciadores podem trazer o equilíbrio necessário para as plataformas sociais que incentivam o consumo excessivo e foram responsabilizados por um aumento nos problemas de saúde mental entre os adolescentes.

Mas os conselhos de mídia social sobre o que comprar ou não comprar não são tão significativos, diz ela. Em vez disso, os desinfluenciadores deveriam levar as pessoas “a questionar como estamos consumindo, o que estamos consumindo e por que estamos consumindo [isso]”, diz ela.

“O problema com um novo movimento como esse é que todo mundo meio que cria seu próprio significado por trás dele”, acrescenta ela.

Victoria Sola, uma influenciadora que cria conteúdo de beleza, diz que a desinfluência promove conversas honestas sobre produtos e capacita consumidores sub-representados.

Como exemplo, ela cita desinfluencers que denunciam marcas que excluem produtos para pessoas de cor.

Esses desinfluenciadores ajudam a promover a transparência e a responsabilizar as marcas, diz Sola, que tem 17 mil seguidores no TikTok e questionou a eficácia de alguns protetores solares em pessoas negras.

“Muitas pessoas perdem a confiança em influenciadores que só querem ser pagos e esquecem que, do outro lado, há uma pessoa que só quer que você fale com eles de forma honesta e real”, diz ela.

Ruby, a analista de mídia social, oferece outra perspectiva. Influenciar e desinfluenciar em plataformas sociais não são tão diferentes, diz ela.

“Para ser desinfluenciado, você tem que ser influenciado para começar. Acho que a tendência de desinfluenciar ocorre dentro de um sistema de mídia social de câmara de eco, onde as pessoas estão… familiarizadas com os produtos que estão sendo desinfluenciados”, diz ela.

A chave para os consumidores, diz ela, é não confiar em tudo que você vê no TikTok, YouTube ou Instagram. Dessa forma, você não precisa ser desinfluenciado.

  Por CNN BRASIL